Beleza e mistério nos espetáculos

Por: Flavia Rodrigues
flaviarrodrigues@yahoo.com.br

Um musical que buscou inspiração nos ritmos do nordeste, no funk, nas canções da religião católica, no sincretismo religioso e recriou a atmosfera do interior do Brasil, com seus sotaques e maneirismo, arrebatando adultos e crianças. Assim foi a apresentação de Três Marias, com o grupo Crias da Casa, na tarde de domingo, 21 de setembro, no SESC Nova Iguaçu, dentro do Festival EncontrArte.

 

Eles encenaram a história de Antônio Maria, Zé Maria e Maria Aparecida, que se encontram por acaso numa praça e contam causos que mostram a eterna luta do bem contra o mal, o amor de um anjo por uma mortal e os percalços que este precisa passar para merecer o afeto da moça.  Um casal de menestréis costura a narrativa.

 

O grupo Crias da Casa teve preparação vocal de uma fonoaudióloga e contou com a multi-instrumentista Aline Peixoto, autora das canções  junto com a mãe Denise Peixoto. Eles têm o nome atual mais cerca de 10 anos, mas alguns integrantes já se conhecem há duas décadas de outros trabalhos que fizeram juntos. Moram no Rio, porém não esquecem que são oriundos de Friburgo e Niterói.

 

Rosemery Simas e a filha Rafaelle, 2 anos  e meio, ficaram maravilhadas ao assistirem à uma peça pela primeira vez. “Foi lindo e muito emocionante. Eu quase chorei no final. Minha filha, que não fica quieta numa sala de cinema, estava aqui quietinha, não se mexia”, contou Rosemery, que veio com o marido Leandro Simas e a menina de Xerém, em Duque de Caxias.

 

A beleza do cenário que abusava do vime de outros materiais bem brasileiros e o figurino em tecido cru chamou a atenção de todos que estavam no teatro.  Eles já se pesquisam um novo tema que será adulto, não mais voltado para a infância e a juventude, como nos últimos anos.

 

O grupo Crias da Casa completou dois anos de apresentação deste espetáculo e já havia ocupado a cena do teatro do SESC NI por quatro finais de semana. Antes de chegar ao trabalho atual, eles visitaram escolas, instituições e até uma Vila de Pescadores.   Conseguiram enquadrar o espetáculo na Lei Rouanet ( de incentivos) e assim viabilizaram  a realização da peça.

 

Para fechar bem o domingo o monólogo Seu Bonfim, com o ator Fábio Vidal, integrante do grupo baiano Territórios Sírios de Teatro, que existe há 14 anos, aconteceu às 20h, no teatro Sylvio Monteiro. Incensos e farinha de mandioca deram o clima do espetáculo. Produtor executivo da peça, Tom Borges agradeceu à organização do Festival pela estrutura oferecida, desde a recepção no Aeroporto Tom Jobim até a apresentação da obra, inspirada no livro Terceira Margem do Rio, de Guimarães Rosa.

 

O espetáculo foi inspirado  no  A terceira margem do rio, de Guimarães Rosa. A atuação do ator Fábio Vidal impressionou o público. “ A performance do ator é excelente.Gostei muito. Além disso, a  história nos incentiva a fazer uma retrospectiva da nossa própria história”, comentou o poeta e escritor Ney Santos.

 

A programação completa do Encontrarte está disponível no site www.encontrarte.com.br. O evento acontece até o dia 27 de setembro.

 

Crédito das fotos:

Paulo César Rega (Três Marias)  e Alziro Xavier (Seu Bonfim)

 

Jornalistas:

Bernadete Travassos – 987343-4121

Flavia Rodrigues – 99166-8822

 

 

 

Sem comentários ainda

Seja o primeiro a comentar!

Deixe seu comentário