Diversão e reflexão no segundo dia do Encontrarte

Por: Flavia Rodrigues
flaviarrodrigues@yahoo.com.br

Espetáculos baseados na obra de William Shakespeare e também no cotidiano de pessoas pobres fizeram parte do segundo dia da programação da 13º edição do festival de teatro Encontrarte. Os temas variados fizeram despertar no público sentimentos bem diferentes. A peça “Como a gente gosta” falou do amor e seus encantos enquanto “Construção” teve como proposta mostrar a indignação e coragem de um homem comum para lutar contra a alienação. As apresentações aconteceram, nesta sexta-feira (19/09), no Complexo Cultural, em Nova Iguaçu.

Para se apresentar pela primeira vez na cidade da Baixada Fluminense o grupo Maria Cutia preparou o espetáculo “Como a gente gosta”, de autoria e direção de Eduardo Moreira. A peça é regada com muita música e conta com a participação do público. A trupe de quatro atores mineiros mostrou a história de seis amores que buscam a felicidade com o casamento. O cupido, como acontece muitas vezes, acerta suas flechas em casais improváveis. Uma ciranda de paixões com encantos e desencontros. Antes de se despedir do público os atores passaram o chapéu, resgatando uma tradição milenar no teatro de rua. A colaboração dos presentes foi grande. “Nosso objetivo é fazer com que o amor se espalhe assim como o teatro. Trazer Shakespeare para a rua é um desafio, mas aqui tivemos um público super interessado e querendo nos ouvir. Os organizadores do EncontrArte estão de parabéns”, destacou a atriz Mariana Arruda, que foi protagonista na história com a personagem Rosalinda.

Com objetivo de despertar a importância das pessoas saírem da alienação e mostrar como é difícil andar na contramão da sociedade, por ideologia, o ator e diretor Alexandre Gomes levou para o festival a peça “Construção”. “Quando as pessoas são consumidas pelo desejo de um mundo melhor ficam indignadas e precisam ter coragem para lutar contra o sistema. Na maioria das vezes são consideradas loucas. Assim como Chico, o protagonista da história”, explicou Alexandre.

A quantidade de pessoas que foi ao teatro assistir a Cia. Atores da Fábrica, que é de Nova Iguaçu, emocionou os integrantes do grupo. “Para nós, que estamos nesta militância de fazer arte na Baixada Fluminense é uma dádiva encontrar um teatro lotado. Nossa missão enquanto artistas é cobrar das autoridades mais iniciativas como o EncontrArte, que reúne espetáculos de qualidade e oferece diversão e conhecimento para os moradores da região”, disse Alexandre ao se despedir do público.

Participar da maratona teatral já virou tradição para algumas pessoas. “Sou fã do festival e faço questão de incluir o EncontrArte nas atividades dos meus alunos da Escola Municipal Armando Pires. Hoje eu trouxe também os estudantes surdos. É um ganho a mais para estas pessoas que têm poucas oportunidades. Este evento já se consagrou, mas sempre nos surpreende. Gostei muito”, conclui a professora Marcela Áurea Amaral ao se referir a presença de uma intérprete de libras durante as apresentações. A iniciativa comprova a preocupação dos organizadores do Encontrarte em promover a inclusão de diferentes públicos no festival.

A programação completa do EncontrArte está disponível no site www.encontrarte.com.br. O evento acontece até o dia 27 de setembro.

Crédito das fotos:
Alziro Xavier e Paulo César Rega

Jornalistas:
Bernadete Travassos – 987343-4121
Flavia Rodrigues – 99166-8822

Sem comentários ainda

Seja o primeiro a comentar!

Deixe seu comentário